4 dicas de baixo custo para capacitar sua equipe


Postado por no dia 7 de dezembro de 2017


Equipe

Anteriormente disponibilizei 2 artigos que orbitavam em torno do assunto da falta de capacitação de mão de obra no mercado, colocando um especial foco na área de finanças.

O primeiro artigo (O maior risco oculto das finanças empresariais), é produto de uma ampla pesquisa sobre competência e produtividade brasileira, onde apresentei dados muito preocupantes, dentre eles o de que 94% dos profissionais de finanças já em atividade não estão aptos o suficiente para atuar nas finanças de uma empresa (clique aqui para acessar o artigo).

O segundo artigo (4 dicas simples para saber se seu financeiro é eficiente), falava sobre as opções que o empresário tem de resolver este problema e apresentava um modelo de diagnóstico, bem básico, é verdade, mas que dá uma boa noção sobre o nível de competência do profissional que gerencia suas finanças.  (clique aqui para acessar o artigo).

A conclusão com estes 2 artigos é que não há uma saída fácil, novamente recai sobre a classe empresarial o ônus da formação profissional que deveria ser papel da educação e por extensão de nossos governantes, mas nós já estamos “carecas” de saber como está banda toca, então vamos pular a parte da reclamação e do “xororô” e partir para a ação, porque “Time is Money!!!” não é isso que dizem por aí?

 

Formas de capacitação

O mundo está muito rápido, dados do ICD e do Gartner Group dão conta de que a quantidade de informação no mundo tem dobrado a cada 2 anos.

Oferecer treinamento aos colaboradores é bom, ajudá-los a pagar sua formação superior ou pós-graduação é louvável, jamais será errado, mas temo dizer que talvez esta seja a forma mais cara de capacitar sua equipe no meio empresarial.

Vamos pensar, o que alguém aprende no início de uma graduação que termina em 5 anos já está ultrapassado uma vez que a informação já dobrou 2 vezes e meia neste período.

O mundo mudou e cabe a nós acompanhá-lo, já passou do tempo de as pessoas aprenderem habilidades que sejam perenes (comportamentais, emocionais, intelectuais e relacionais), enquanto assumem para si a missão de nunca “terminarem seus estudos” fazendo de cada dia um novo “curso” atualizando-se técnica e tecnologicamente à medida e na velocidade que o mundo viaja.

 

Empresas formadoras tem foco nas pessoas

A partir desta ótica faz sentido pensar nas empresas como facilitadoras do aprendizado que deve partir, prioritariamente, de cada profissional e ser viabilizado pela organização.

Tenho defendido o pensamento de que as empresas precisam tornarem-se “canteiros de talentos”, como se diz no mundo da bola, precisamos “valorizar as categorias de base”.

Os investimentos existem mas não são tão altos quanto os custos da incompetência, a maior dificuldade que tenho observado não é a questão financeira, o problema está muito mais no foco dos gestores.

Se o seu foco como gestor são as pessoas e os resultados que elas podem produzir, então todo este discurso fica alinhado, mas se seu foco ainda é, como o da maioria, concentrado na operacionalização, no poder e na autoridade tudo isso não passa de blá blá blá.

Supondo que seu foco sejam pessoas e resultados, minha proposição é que você comece implementando algum tipo de programa de capacitação, a vantagem dos programas é que não terminam nunca, assim este modelo é perfeitamente alinhado com aquilo que a dinâmica do mercado exige hoje em dia.

 

Programas que facilitam o processo de capacitação com baixo custo

Programa de estágio: Com foco em capacitar para o trabalho, o programa de trainee é um tipo de “categoria de base” para as empresas. Consiste em capacitar, tanto na teoria como na prática aquela galera que ainda está pensando no que vai fazer da vida. Estes programas podem ser conduzidos por profissionais internos ou externos e através deles se pode “garimpar” talentos que hoje atuam como assistentes, mas que, no futuro, poderão assumir cargos operacionais, técnicos e táticos.

Programa de trainees: Com foco em preparar líderes, pode definir tutores internos ou externos que façam a fundamentação profissional de colaboradores já formados mas inexperientes, para que, uma vez formados, estejam capacitados a assumirem cargos de liderança.

Programa de coaching: Mais comumente destinado ao colaborador que já tem um cargo, com potencial evidente mas que por alguma razão ou circunstância não deslancha. O coaching pode ser aplicado individualmente ou em grupo. O Coaching ajuda o profissional extrair de dentro de si o potencial que o levará ao sucesso, tanto profissional como pessoal.

Programa de mentoria: Mais comumente destinado a profissionais formados e já atuantes em cargos técnicos, gerenciais ou estratégicos. A mentoria tem uma abordagem técnico-comportamental, baseada na transferência de know how sobre como gerar resultados em uma área específica (Finanças, Vendas, Produção, Rh e outras).  O mentor normalmente vem de fora da empresa, entretanto algumas optam, por capacitar sua liderança para que sejam mentores dentro da própria empresa.

 

Como reduzir os riscos e facilitar a capacitação

Talvez você possa estar pensando que vai investir na capacitação de alguém que amanhã ou depois, receba uma proposta melhor e não lhe dê tempo de retornar o investimento.

Você deve saber que pode formalizar um termo de compromisso como forma de recuperar o investimento em capacitação nos casos em que isto venha a acontecer. O Termo de Compromisso é um documento onde o colaborador assume uma dívida com a empresa, no valor da capacitação, comprometendo-se a permanecer na empresa durante o período acordado, autorizando desconto nas verbas rescisórias em casos de justa causa ou rescisão antecipada por parte do colaborador. Não se esqueça de elaborar isso com o auxílio de um advogado.

 

O mercado está realmente muito dinâmico, vivemos dias em que pequenas negligências tem fechado as portas de grandes empresas.

Neste cenário é fundamental que o gestor moderno esteja alinhado com as demandas que a modernidade impõe. Capacitação não é despesa, é investimento e se bem conduzido retornará muito rápido.

Analise com calma os programas sugeridos neste artigo, aprofunde-se no assunto , escolha o modelo mais adequado à sua realidade e comece agora mesmo, invista pouco, mensure as eficiências e deixe o resultados falarem por si.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *